Como me tornei programador Python?

No início da minha carreira como programador não tive problemas na escolha da tecnologia, na época eu fazia um curso técnico em informática e um dos meus professores me convidou para fazer um estágio com ele. Nesse estágio eu iria ajudar a desenvolver os softwares pros clientes dele. Mão de obra baratíssima, não recebia nem auxílio vale-transporte e no final das contas pagava pra programar.

Naquela época usávamos PHP com MySQL, aprendi muito nessa época. Como eu não sabia nada nessa época, e tava trabalhando com o meu professor do lado, logo sai do estágio zero e comecei a fazer os primeiros cadastros.
Toda a prática que a sala de aula não proporciona, eu tive graças a esse estágio. Sou muito grato por isso, e  sempre dou essa dica para o pessoal que quer aprender:  no início da carreira, ignore o salário, vá pelo aprendizado.
Em um outra época, eu troquei de estágios para ganhar a metade (e olha que eu já ganhava pouco.. hehehe), só porque nesse novo lugar eu teria mais oportunidades de aprender.

Depois que iniciei a faculdade continuava buscando estágios e empregos na área, e com o passar do tempo tive contato com programação orientada a objetos e os frameworks PHP. Nessa época eu já estagiava para agências, desenvolvendo sites e sistemas web.

Depois de um tempo fui apresentado ao Python e Django pelo meu amigo Henrique Leal, que recém tinha tido contato do Python através do Ikke, (se não me engano). Ele me incomodava muito para eu aprender e usar Python no meu trabalho, já que eu tinha essa liberdade por ser o único programador da agência.

Fazia os tutoriais básicos do Django, que só ensinava a configurar o admin do Django e criar um ou dois templates. Acha aquilo tudo muito legal tudo, mas não tinha muita ideia de como as coisas funcionavam ainda.  Além das diferenças entre PHP e Python, tinha ainda todas as  coisas que Django gerava, que pra mim eram quase mágica.

Nessa mesma época eu tava trocando de agência, e nessa nova agência já tinha um dev que era fã de ASP. Logo pensei: “Agora é a hora de aprender esse tal de Django e convencer todo mundo a trocar de tecnologia. Porque ASP é foda!”

Com bons argumentos convenci o pessoal a trocar de tecnologia, e agora me deparei com a seguinte situação: “Como faço para criar um site de verdade?”“Como faço o deploy na nossa revenda brasileira?”

HEHEHEHEHE (agora eu acho graça)

Primeiras experiências com Python e Django

O primeiro site tinha todos models em uma app, no segundo as apps estavam devidamente separadas, no terceiro utilizamos o South (essa era a época do Django 1.3).. E assim fui evoluindo aos poucos o meu conhecimento com Python/Django. Nessa época trabalhávamos com os prazos apertados, e por isso nunca me dei ao luxo de tentar fazer o projeto da forma mais perfeita possível de uma vez, mas sim fui gradativamente melhorando a organização do projeto.

Desde esse época, meados de 2011, eu não parei mais de trabalhar com Python/Django. Quando no meu trabalho fulltime não era com Python, eu fazia freelas pra me manter atualizado.

Esse é um resumo de como foi a minha tragetória como programador, iniciando com PHP, pagando para trabalhar, até chegar no Python e Django. Passando por diversas empresas e experiências enriquecedoras na formação de um desenvolvedor.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *